Brasil

Reforma da Previdência: “Reaja agora ou morra trabalhando”
CUT lança campanha nacional e se organiza para lutar nas ruas contra a PEC 287
Por: Redação FENTAC com CUT - Publicação: 13/02/2017
Imagem de Reforma da Previdência: “Reaja agora ou morra trabalhando”

divulgação

Sob o mote “Reaja agora ou morra trabalhando”, a CUT lançou na quinta (9), em São Paulo, um movimento que deve tomar as ruas do país pela preservação de direitos históricos conquistados pela classe trabalhadora.  .

Durante o encontro, que reuniu os presidentes das 23 CUT’s estaduais e 14 ramos, o presidente nacional da Central, Vagner Freitas, alertou que a PEC 287 está atrelada ao golpe que derrubou a presidenta Dilma Rousseff.

Segundo Vagner, esse governo, que não foi eleito, "precisa fazer essas reformas para pagar o preço dos que financiaram o golpe e a PEC 287 faz parte desse projeto para se adequar ao congelamento dos gastos primários por 20 anos. A proposta dos golpistas não é reformar a Previdência e sim acabar com ela, para que os bancos vendam planos de previdência privada. Estamos debatendo com as demais centrais de que não devemos emendar essa reforma (PEC 287) e sim derrotar essa reforma”, afirmou..

De acordo com o dirigente, “o Temer está no governo há 9 meses e aumentou o desemprego e piorou a situação no Brasil. Diziam que bastava tirar o PT que tudo se resolveria e tudo piorou. É um golpe de destruição do Estado, destruição de uma política de direitos sociais construída lentamente desde os tempos de Getúlio Vargas”, encerrou.

Campanha contra a Reforma

A estratégia para tomar as ruas dos municípios do Brasil contra a Reforma da Previdência começa por levar à classe trabalhadora as informações sobre as regras impostas pela PEC 287.

Para tanto, a CUT lançará um hot site com diversas ferramentas, entre elas, o Mapa da Previdência e uma calculadora que auxiliará o trabalhador na difícil missão de decifrar a idade com que irá se aposentar, caso as novas regras prevaleçam.

Durante o encontro, Vagner Freitas lembrou que "a maioria dos municípios brasileiros tem menos de 100 mil habitantes". Esse dado é importante, pois essas cidades terão seus orçamentos afetados, já que os aposentados são fundamentais para a composição da economia local. "Se passar, essa Reforma quebrará os municípios", afirmou o presidente da CUT. Por isso, será decisiva a pressão feita nas ruas das cidades, sobre os prefeitos e sobre a base dos deputados e senadores que irão votar a Reforma.

Para o presidente da FENTAC, Sergio Dias, barrar qualquer tipo de ataque e retrocesso será o grande desafio dos aeronautas, aeroviários e aeroportuários. "Nossa unidade e organização é fundamental", alerta.


Assessoria de Imprensa e Comunicação da FENTAC/CUT
Agência: Mídia Consulte Comunicação Criativa & Marketing
Jornalista Responsável e Editora: Viviane Barbosa Mtb 28121
Jornalista-redatora: Vanessa Barboza - Mtb 74572
Redação:  jornalismo@midiaconsulte.com.br


Notícias Relacionadas

Não à Reforma Trabalhista: Pilotos e comissários aprovam “estado de greve” nos aeroportos

24/04/2017 -

Uma nova assembleia será realizada na quinta-feira (27) para definir paralisação nacional na sexta-feira (28)

#NenhumDireitoaMenos: Reforma trabalhista rasga a CLT e deixa o trabalhador sem direitos básicos

18/04/2017 -

O PL 6787/16 é uma proposta nefasta em toda sua extensão. Confira os principais pontos que detonam os direitos conquistados com muita luta

93% dos brasileiros são contra o desmonte da Previdência

13/04/2017 -

Pesquisa CUT-Vox Populi foi realizada entre os dias 6 e 10 de abril

+ Notícias

Publicações

+

Da Federação

Dos Sindicatos Filiados

Campanha Salarial 2016/2017

Galeria de Fotos

Encontro da Rede Sindical LATAM/ITF

Sindicatos Filiados

Parceiros