#ParabénsAeroviári@s! Profissão celebra 55 anos no Brasil

Trabalhadores garantem todos os dias a segurança de voo de milhões de passageiros

946

Nesta quinta-feira, 22 de junho, celebra-se o Dia do Aeroviário e Aeroviária. A profissão é regulamentada pelo decreto 1.232, de 22 de junho de 1962 .

A luta da FENTAC e dos sindicatos aeroviários filiados pela ampliação dos salários, por melhores condições de trabalho e por qualidade de vida vem de longa data. 

Temos travado batalhas com as empresas aéreas desde antes da ditadura militar, período obscuro que o nosso País viveu. Quando essa fase acaba, em 1988 com a redemocratização do Brasil, os aeroviários e os aeronautas deram um salto de qualidade e retornaram o enfretamento com a classe patronal. Na década de 1980, houve greves marcantes, principalmente nos anos de 1987, 1988 e 1989. 

Em 1994 com advento do Plano Real e a entrada de FHC, tiveram outras lutas marcantes. Neste período houve conquistas fantásticas, algumas delas, como o auxílio creche, o pagamento dobrado durante os domingos e feriados, a folga agrupada, umas das mais importantes, e a estabilidade à véspera da aposentadoria com 15 anos de casa. Ao incluí-las na CCT, possibilitaram mais qualidade de vida para quem trabalha em turnos ininterruptos, como domingo, feriados, Natal e Carnaval.

Transformações no mundo do trabalho 
Essas conquistas vêm acompanhando as mudanças do mundo do trabalho. No passado, os aeroportos eram muito insalubres. Só para ter ideia, os trabalhadores estavam sujeitos a barulhos de até 120 decibéis, tanto que a doença profissional que mais atingia a categoria era a surdez, acompanhada do estresse e o desdobramento da hipertensão arterial. Graças à mobilização e à organização dos trabalhadores, conseguimos avançar muito nesse sentido. E as transformações não pararam.

Com o advento das novas tecnologias, veio o assédio moral, prática desumana e sem ética nas relações de trabalho, que afeta a dignidade e viola os direitos fundamentais. Um mal que precisa ser vencido e que hoje atinge não só a categoria aeroviária, como também toda a classe trabalhadora. 

Nas Campanhas Salariais recentes, tivemos a ampliação da licença-maternidade por mais 60 dias, totalizando 180 dias, o abono de falta para levar o filho ao médico, bem como a igualdade de direitos para os (as) companheiros (as) do mesmo sexo.Conquistas importantes para uma categoria que tem um papel estratégico para a segurança de voo. Os trabalhadores na aviação deram uma contribuição importante, nos últimos anos, para que os aeroportos e as empresas áreas popularizassem a passagem aérea. 

O apoio dos trabalhadores consolidou a inclusão das classes sociais mais pobres a voarem de avião. Nos últimos anos, passamos de 30 milhões de passageiros para 100 milhões hoje. Dados da International Air Transport Association (IATA) apontam que o Brasil é um dos três maiores mercados de transporte de passageiros domésticos do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (710,2 milhões) e China (415 milhões).  

A luta continua

Todas essas conquistas foram resultado de muitas greves e protestos organizados pelos sindicatos aeroviários cutistas em conjunto com os trabalhadores da aviação. As cláusulas sociais, asseguradas na CCT, em todos os momentos, foram discutidas no sentido de melhorar a qualidade de vida do aeroviário e aeroviária. É fundamental continuar a luta pela melhoria salarial dos trabalhadores da aviação como um todo.

Hoje o momento que vivemos no Brasil é extremamente preocupante por conta da conjuntura política e econômica. As reformas da previdência e trabalhista, caso sejam aprovadas, vão atingir diretamente a categoria e toda classe trabalhadora brasileira.

O aeroviário (a) hoje tem o direito à aposentadoria especial por conta da exigência física. Sem esse direito,  a segurança de voo corre risco, pois o trabalhador precisa estar 100% apto para a atividade e acabar com esse direito pode colocar a vida de milhares de pessoas em risco. Já  a reforma trabalhista tem impacto nos direitos que conquistamos há décadas e precarizará todos os trabalhadores. 

Mas com unidade da categoria, esse cenário nefasto não acontecerá.  Vamos lutar e resistir a qualquer tipo de retrocesso. Nenhum direito a menos!

A luta é contínua!

FENTAC/CUT

Sindicato Nacional dos Aeroviários

Sindicato dos Aeroviários de Campinas

Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos

Sindicato dos Aeroviários de Recife

Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Auxiliares de Guarulhos