Concessão de aeroportos: reunião no Planalto equilibra correlação de forças

Na manhã desta quarta-feira (26/10), o Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), a Infraero, a Secretaria Geral e a Secretaria de Aviação Civil (SAC), ambas ligadas à Presidência da República, e representantes do Ministério do Planejamento e Gestão reuniram-se no Palácio do Planalto, em Brasília, para negociar as reivindicações dos aeroportuários.

193
 
Inicialmente, o governo reconheceu a força e organização da categoria aeroportuária e recebeu da parte do Sina uma crítica na questão da negociação, por manter a ‘força tarefa’ criada para atuar no TECA Campinas/Viracopos. A diretoria do Sina classificou a atitude um erro de conduta por parte da empresa. A Infraero, entretanto, insistia na sua manutenção por mais 15 dias. No final, a empresa resolveu retirar a ‘força tarefa’ até a próxima sexta-feira, dia 28.
 
Em relação aos dias parados, dentro da legitimidade e legalidade das reivindicações dos trabalhadores, eles sairam vitoriosos e a empresa vai pagar para todos que participaram do movimento grevista os dias de trabalho.
 
O Sina deixou claro que a categoria aeroportuária e o movimento sindical, bem como o movimento social, continuarão repudiando publicamente o processo de concessão ou privatização dos aeroportos brasileiros e que a prioridade, neste momento, é o destino dos trabalhadores aeroportuários. Para isso, o Sina reafirmou sua proposta de ampliar ao máximo a estabilidade no emprego para todos os trabalhadores(as) da Infraero, avançar na criação de postos de trabalho assumidos pela gestão direta da Infraero dentro dos aeroportos concedidos e desenvolver alternativas que contemplem as demandas da categoria.
 
Diante de tudo isso, o governo estabeleceu uma nova rodada de negociações para o dia 3 de novembro, também em Brasília, e definiu o dia 16 de novembro como data limite para o encerramento das negociações no que se refere ao futuro da categoria dentro do novo contexto.
 
Na próxima reunião, do dia 3, o Sina apresentará uma proposta denominada “Projeto de Gestão Compartilhada” onde negociará funções já existentes e funções a serem assumidas pela Infraero dentro dos aeroportos concedidos.
 
Para o Sina, a inclusão do Ministério do Planejamento e Gestão permitirá avanços nas negociações. O Sindicato realizará, em breve, assembleias com os trabalhadores nos aeroportos envolvidos para debater diretamente com os aeroportuários(as) o processo negocial. (Fonte: www.sina.org.br/turbulencia)