Editorial: Um Dia do Trabalhador para relembrar nossas lutas

Neste primeiro de maio, a FENTAC reflete sobre algumas questões trabalhistas pertinentes ao mundo da aviação.

125

Antes de mais nada, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (FENTAC) deseja parabenizar os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil, em especial os trabalhadores e trabalhadoras do setor aéreo por este Dia do Trabalhador.

Vivemos uma época de desmonte dos direitos trabalhistas por parte dos governantes e legisladores. Uma época também de privatizações e terceirizações, e, principalmente, uma época que exige o foco em uma forte defesa contra essas ameaças. É uma época exigente para a classe trabalhadora, e por essa dificuldade imensa que enfrentamos, a FENTAC parabeniza a todos e todas por essa resistência.

A FENTAC, em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras da aviação, está na luta para fazer com que estar empregado no Brasil em 2022 não seja tão duro assim. A Federação está em busca da melhoria na qualidade de vida dos aeroviários e aeroviárias, aeronautas e aeroportuários e aeroportuárias. Também está na luta pelo avanço dos direitos trabalhistas, pela manutenção dos empregos e pela melhoria dos salários.

Além da luta pela melhoria da qualidade de vida das categorias da aviação, a FENTAC defende com muito empenho a garantia da segurança de voo. “Todos esses processos de privatizações, terceirizações e precarizações dos direitos trabalhistas afetam diretamente esta segurança”, afirma a diretoria da FENTAC.

O pilar da segurança de voo, o Mecânico de Manutenção de Aeronaves (MMA), é um profissional que vem sofrendo ameaças no Brasil. Seja pela terceirização, que provoca uma alta rotatividade de trabalhadores, ou pela falta de valorização por parte das empresas, esta é uma atividade atualmente ameaçada no país.

A FENTAC está com este assunto sempre no topo de suas prioridades, se certificando da segurança de voo e consequentemente da segurança de todos que trabalham na aviação.“Para conservar a integridade do setor aéreo, é necessário que o MMA seja qualificado e certificado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Com isto em dia, podemos trabalhar mais tranquilos”, avalia a FENTAC.

Outro tópico que afeta diretamente todos os trabalhadores e trabalhadoras da aviação é a privatização dos aeroportos pelo país. Conforme o portal Brasil de Fato, os aeroportos de São Gonçalo do Amarante, em Natal, de Viracopos, em Campinas, e do Galeão, no Rio de Janeiro, estão em processo de devolução. Ainda segundo o portal, as empresas concessionárias ainda devem buscar indenizações com a União, o que tornará todo o processo de privatização uma dívida para o país.

São muitos os problemas do Trabalho no Brasil, e também são muitas as questões que afetam os trabalhadores da aviação. Neste momento de luta e de resistência, a FENTAC oferece seus esforços para tornar o próximo Dia do Trabalhador um pouco mais leve. “Estamos ao lado dos trabalhadores e das trabalhaoras. Já atravessamos diversas crises, sobrevivemos ao período mais complicado da pandemia e vamos ter bons resultados na nossa luta por direitos”, pontua a diretoria da FENTAC.