22 de junho: FENTAC parabeniza os aeroviários e aeroviárias de todo o Brasil

Profissão completa nesta quarta-feira 54 anos no Brasil

491

Regulamentada pela Lei 1.232 de 1962,  a profissão do Aeroviário completa  nesta quarta-feira, 22 de junho, 54 anos no Brasil.  A valorização nos salários e a luta por melhores condições de trabalho e qualidade de vida para categoria aeroviária vêm de longa data.

Há quase 30 anos, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil, filiada à CUT, (FENTAC) e os Sindicatos filiados regionais dos Aeroviários de Campinas, Guarulhos, Porto Alegre, Recife e da base do Sindicato Nacional  dos Aeroviários têm sido percussores dessas conquistas. Hoje, a Federação representa cerca de 60 mil aeroviários no País.

Graças às greves marcantes, principalmente nos anos de 1987, 1988 e 1989, os aeroviários deram um salto de qualidade. Naquele período houve conquistas fantásticas, algumas delas, como o auxílio creche, o pagamento dobrado durante os domingos e feriados, a folga agrupada, umas das mais importantes, e a estabilidade à véspera da aposentadoria com 15 anos de casa. Ao incluí-las na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), possibilitaram mais qualidade de vida para quem trabalha em turnos ininterruptos, como domingo, feriados, Natal e Carnaval.

Esses avanços vêm acompanhando as mudanças do mundo do trabalho. No passado, os aeroportos eram muito insalubres. Só para ter ideia, os trabalhadores estavam sujeitos a barulhos de até 120 decibéis, tanto que a doença profissional que mais atingia a categoria era a surdez, acompanhada do estresse e o desdobramento da hipertensão arterial.

Nos últimos dez anos, as negociações da Campanha Salarial com as empresas aéreas sempre terminaram em conflito. Foram necessários protestos e paralisações, organizados pelos sindicatos filiados, que tiveram mediações do poder judiciário, para que os trabalhadores conquistassem o mínimo: a reposição integral nos salários e melhorias nos direitos sociais. Algumas conquistas recentes marcantes asseguradas nas Convenções foram a ampliação da licença-maternidade por mais 60 dias, totalizando 180 dias, o abono de falta para levar o filho ao médico, a igualdade de direitos para os (as) companheiros (as) do mesmo sexo e o aumento do teto da cesta básica, sem desconto. 

A luta continua
É preciso avançar, cada vez mais. A categoria aeroviária precisa sensivelmente melhorar o aspecto salarial, conquistar novos pisos e ampliar seus valores, em razão que cada vez mais as empresas aéreas estão exigindo um alto grau de profissionalismo e dedicação dos trabalhadores, bem como melhores condições de trabalho, que assegurem qualidade de vida. E essas são algumas principais bandeiras de lutas da FENTAC e dos sindicatos filiados.

Mais uma vez, a FENTAC parabeniza todos os aeroviários brasileiros pelo seu dia e reconhece a inestimável importância desses profissionais que garantem diariamente a segurança nos voos de milhões de passageiros.

Direção FENTAC