Aeros: FENTAC/CUT e entidades filiadas fazem alerta sobre oportunistas

As entidades alertam aos trabalhadores na Varig para que não se deixem enganar por quem nunca acompanhou a luta

373

Após várias batalhas enfrentadas para assegurar aos aeronautas e aeroviários aposentados, pensionistas e participantes  o direito de receber seus benefícios do Aeros (Fundo de Pensão dos ex-trabalhadores Vasp) oportunistas que nunca se envolverem na luta querem colher os louros da vitória.

Os trabalhadores que acompanham ativamente as sagas as Aerus (Varig, Transbrasil, entre outras) e Aeros (Vasp) sabem que essa luta é encabeçada pela FENTAC/CUT, o Sindicato Nacional dos Aeronautas e o Sindicato Nacional dos Aeroviários.  
Além disso, reconhecem que as entidades nunca mediram esforços para reivindicar o pagamento do que é de direito de cada aeronauta e aeroviário que trabalhou em uma das companhias aéreas participantes dos Fundos.

A FENTAC e as entidades filiadas fazem um alerta aos trabalhadores na Varig para que não se deixem enganar por quem nunca acompanhou o caso e sequer sabe dos trâmites do processo. Portanto, a recente vitória do pagamento parcial dos benefícios aos aeroviários e aeronautas na Vasp é fruto do árduo trabalho político e jurídico da Federação e das entidades filiadas.
 

Portal FENTAC ouviu as lideranças do movimento, confira:

“O trabalho da FENTAC e dos sindicatos filiados foi essencial para que os trabalhadores na Vasp viessem a receber o que estava previsto no acordo que foi assinado em 2005, referente aos passivos trabalhistas, questões relativa ao pagamento de horas, diferença de salários e etc. Foi  fundamental o papel das entidades, dos dirigentes da época que mantiveram esse processo e também do Ministério Público em busca de uma Justiça a ser feita para esses trabalhadores que já vinham desde a privatização da empresa sofrendo injustiças nos seus pagamentos, nas parcelas de salários e rescisões devidas.

A FENTAC, além de todo o apoio, patrocinou financeiramente uma parcela da ação. Se  dependesse da falência da Vasp para que os trabalhadores viessem a receber, talvez não iríamos ter uma solução. Apesar de  essa ter sido uma luta árdua, longa, jurídica e política, finalmente em função do trabalho da Federação e das instituições nós tivemos êxito e agora os trabalhadores poderão ser ressarcidos parcialmente dos valores”, Graziella Baggio, ex-presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas e porta-voz da FENTAC.

 

“A FENTAC e os sindicatos filiados foram fundamentais na solução da tragédia do fim da Vasp. A busca por uma solução pela sobrevivência da empresa e pelo direito dos trabalhadores e aposentados do plano Aeros  foram grandes trabalhos feito pela Federação  e pelos sindicatos filiados.

A luta se divide na crise da empresa e na tentativa de sobrevivência dos postos de trabalho, que foi o primeiro trabalho que a FENTAC e os sindicatos tiveram, e quando esse trabalho acabou e a empresa faliu, o segundo passo foi a questão dos direitos dos trabalhadores e dos aposentados na Vasp. A Federação e os sindicatos sempre colocaram as suas assessorias e a sua estrutura para à disposição dos  trabalhadores e aposentados da VASP. Essa  luta é nossa”, Celso Klafke, ex-presidente da FENTAC/CUT.

 

“A FENTAC e os sindicatos tiveram que fazer um verdadeiro cinturão em torno de ações jurídicas para tentar minimizar o que, naquele momento, foi  extremamente grave. Milhares de trabalhadores sem empresa, sem salário e sem fundo de garantia.  Muitos não tinham nem o básico:  vale-refeição, a cesta básica que o Canhedo não pagava. Foi um tombo duro para os trabalhadores e naquele momento não tinham a certeza  se  conseguiriam os direitos. Porém, não houve esmorecimento por parte dos sindicatos que eram substitutos processuais dos trabalhadores nas ações individuais e coletivas e teve um apoio político e institucional da FENTAC, no sentido de fazer valer que o Canhedo pagasse por isso.

Então hoje estamos vitoriosos, mesmo sabendo que a nossa luta ainda não acabou. Os trabalhadores resgatarão pelo menos 50% dos seus valores da penhora da Fazenda do Canhedo.Há uma perspectiva que parte desses valores sejam pagos em dezembro ou janeiro do ano que vem.  Sabemos também que o  Canhedo têm mais bens que estão penhorados para que se complemente esse pagamento das verbas trabalhistas devidas. Por enquanto, é uma vitória parcial, mas a Federação e os sindicatos estão caminhando para uma vitória total na medida em que esses outros embargos vierem a ser penhorados para complementar e pagar o restante do que se deve aos milhares  de trabalhadores” , Selma Balbino, Secretária Geral da FENTAC e diretora do Sindicato Nacional dos Aeroviários.

 

Vanessa Barboza da Redação FENTAC com a colaboração de Beatriz Chaves