Começo das negociações são frustrantes; aeronautas analisam greve

87

Sem muitas novidades e com uma postura fechada por parte das empresas, a primeira rodada de negociações da Campanha Salarial não trouxe avanços.

Na negociação dos aeroviários, por parte do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) a visão é de que ainda há o clima de crise imposto pela pandemia, quando para a FENTAC o que há é uma retomada da aviação nos mesmos padrões pré covid-19.

Por parte da Latam também não houveram muitas novidades, exceto que, assim como o SNEA, a empresa enviará uma proposta para as entidades sindicais antes da próxima rodada de encontros.

A negociação das entidades que representam os aeroviários será retomada na próxima quarta e quinta-feira, com Latam e SNEA respectivamente.

Negociação com os aeronautas aponta greve como destino

Já o caso dos aeronautas é ainda mais complexo. O SNEA se negou a reconhecer a ultratividade da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para a categoria. Isto significa que, caso uma nova Convenção não seja assinada até o dia primeiro de dezembro, trabalhadores de todos país não terão mais direitos garantidos.

A partir deste posicionamento do SNEA, o SNA convocou uma assembleia plebiscitária para o próximo dia 25 de outubro. Segundo a entidade que representa os aeronautas, a proposta para a assembleia será de aprovar ou não o início da greve caso não seja assinada uma nova CCT até o dia 20 de novembro.

“As categorias estão de mãos dadas nessa negociação, aeroviários apoiarão aeronautas e vice-versa, estamos fechados”, afirma a direção da FENTAC.

A FENTAC manterá as categorias atualizadas sobre os desdobramentos das notícias tanto de aeroviários quando dos aeronautas.