FENTAC realiza Seminário de Planejamento da Campanha Salarial 2018/2019

Em setembro, em datas a definir, os sindicatos farão assembleias nas suas bases para consultar os trabalhadores sobre as pautas de reivindicações

983

A FENTAC realizou nos dias 17 e 18 de agosto, no Sindicato dos Aeroviários, em Porto Alegre,  seu Seminário de Planejamento da Campanha Salarial 2018/2019 da aviação regular e táxi aéreo. 

A atividade contou com a participação de dirigentes dos sindicatos  dos aeroviários de Pernambuco, Campinas,Guarulhos, Porto Alegre, dos sindicatos de base Nacional dos Aeroviários e Aeronautas, que fizeram um debate sobre os cenários político, econômico e abordaram os impactos da nova Lei Trabalhista. 

O dirigente da CUT nacional, Quintino Severo, participou do seminário da Federação e fez uma análise da conjuntura nacional e internacional para os dirigentes da aviação.

No Seminário, foram debatidas as principais cláusulas e demandas das categorias que estão em debate com o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA): extensão do auxílio-creche também para os pais, o cumprimento da cláusula que garante a entrega do Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) em até dez dias, ampliação do Passe Livre para aeronautas, a criação de uma cláusula que trate sobre o auxílio-maquiagem para as aeroviárias e a criação de uma cláusula que garanta que as homologações sejam feitas com acompanhamento do Sindicato. 

Além dessas mudanças e inclusões de cláusulas, outra prioridade das entidades que representam os trabalhadores é o ganho real nos itens econômicos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

Cenário econômico na aviação 

Segundo dados da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civi)l, as empresas brasileiras de aviação comercial acumularam um aumento da demanda (mensurada em passageiros-quilômetros pagos transportados, (RPK) de 7,5%, nos primeiros seis meses de 2018, para as linhas domésticas e internacionais.  

Considerando apenas as linhas domésticas, que representam, em média, 91% do número de passageiros e 61,3% da carga transportadas por essas empresas entre janeiro e junho de 2018, o crescimento verificado foi de 4,2%. 

Nas linhas internacionais, operadas por empresas brasileiras, o crescimento registrado nos primeiros semestres de 2018 foi de 15,7%. A taxa de ocupação das aeronaves (load fator) foi de 80,1% e 82,5%, em média, nas linhas domésticas e internacionais operadas por empresas brasileiras, respectivamente.

“Esses dados revelam a retomada da demanda por serviços de aviação em 2018, acima da média do crescimento da demanda (RPK) do mercado mundial de aviação, o qual, segundo a IATA, foi de 7,0%, entre janeiro e junho de 2018. E acima de mercados de aviação como o norte americano e o europeu”, pontua o técnico do Dieese na FENTAC, Mahatma Ramos. 

Táxi Aéreo 

Outro ponto destacado no Seminário foi a dificuldade de avanço no  fechamento da Campanha Salarial do táxi aéreo com o Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA). Os sindicatos dos aeronautas e aeroviários filiados seguiram empenhados para fechar um acordo que não prejudicasse os trabalhadores do setor.  “Nos últimos 10 anos, as empresas de táxi aéreo têm levado uma grande vantagem sobre os trabalhadores”, destaca a direção da FENTAC. 

Mobilização será fundamental
 
Na avaliação do presidente da FENTAC, o aeronauta Sergio Dias, por conta do cenário político e a nova Lei trabalhista, será uma Campanha difícil.

"Na última Campanha, conquistamos importantes vitórias: primeiro fechamos mais uma vez no mês da data-base, em dezembro, e conquistamos o aumento real e a manutenção integral da atual CCT.  Mesmo diante do cenário de exceção e forte ataque a qualquer salvaguarda aos direitos trabalhistas, os trabalhadores da aviação não tiveram qualquer prejuízo em suas conquistas sociais. Nesta Campanha, percebemos nas reuniões bimestrais que as empresas devem tentar avançar na retirada de direitos. Diante disso, vamos valorizar a nossa convenção coletiva para avançar nas conquistas”, finaliza Dias.

Assembleias  

Em setembro, em datas a definir, os sindicatos farão assembleias nas suas bases para consultar os trabalhadores sobre as pautas de reivindicações. Também serão definidas nestas assembleias quando será a data da entrega das pautas ao SNEA e SNETA e o lançamento oficial.