Dono da Azul vence privatização da TAP

Consórcio assumirá € 1 bi em dividas e fará injeção de € 338 milhões

423

O governo de Portugal confirmou em comunicado nesta quinta-feira (11) que escolheu o consórcio liderado pelo investidor David Neeleman no processo de privatização da companhia aérea TAP. 

O empresário americano-brasileiro é dono e CEO da companhia aérea brasileira Azulx. Ele é também o fundador da americana JetBlue Airways.
O consórcio Agrupamento Gateway, formado por Neeleman e pelo empresário português Humberto Pedrosa (do grupo de transporte rodoviário Barraqueiro), deterá 61% do capital social da companhia aérea. O governo de Portugal pedia a participação de um cidadão europeu no consórcio vencedor.

O ministro português adjunto e do Desenvolvimento Regional, Luis Poiares Maduro, disse que o consórcio pagará imediatamente 10 milhões de euros a Lisboa e fará uma injeção em dinheiro 338 milhões de euros na TAP, além de assumir mais de 1 bilhão de euros em dívidas da empresa.

O grupo se comprometeu ainda a adicionar 53 novos aviões à TAP e a manter Lisboa como principal centro de operações da companhia aérea.
A companhia possui atualmente uma frota de 77 aviões, operando, em média, cerca de 2500 voos por semana.

O governo português reservou uma parcela de 61% nesta etapa de privatização e o Estado tem uma opção de venda de outros 34% dentro de dois anos. Os 5% restantes ficaram com os funcionários da companhia.

À venda

A TAP foi colocada à venda pelo governo português no final do ano passado, com uma dívida de € 1 bilhão e capitais próprios negativos superiores a € 500 milhões, segundo a Reuters. A empresa tem necessidade urgente de se recapitalizar, mas o governo não tem condições e até está impedido de fazê-lo por Bruxelas, a menos que reestruture a empresa, cortando empregos e rotas.

O grupo TAP inclui, além da companhia aérea, uma empresa especializada em manutenção e engenharia no Brasil e a de gestão de carga e bagagens Groundforce. Elas juntas possuem 13 mil funcionários.

Com G1