Campanha Salarial: “Os trabalhadores merecem o reconhecimento pelo crescimento do setor aéreo”, frisa Sergio Dias

Em rodada dos aeroviários, FENTAC/CUT apresenta estudo que mostra que empresas não foram afetadas pela crise. Negociação com aeronautas continua no dia 18 e com os aeroviários, no dia 24 de novembro

433

Dirigentes da Federação Nacional dos Trabalhadores na Aviação Civil da CUT (FENTAC) e dos sindicatos filiados dos aeroviários de Guarulhos, Porto Alegre, Campinas, Recife e do Sindicato Nacional realizaram na terça-feira (10) a segunda rodada da Campanha Salarial com o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (SNEA), na sede da entidade patronal, no bairro do Ibirapuera, em São Paulo.

Na ocasião, a bancada dos trabalhadores apresentou um estudo da Subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na FENTAC sobre o panorama da aviação civil brasileira.

Segundo o levantamento, elaborado pelo sociólogo e assessor econômico Mahatma Ramos, mesmo diante do período de retração econômica, o Brasil apresentou  crescimento de 1,2% no Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, impulsionado pelo setor de serviço de serviços, incluindo a aviação.  “É importante que a classe empresarial fomente o mercado, pois a população de baixa renda é que mais consome”, destacou.

Ainda de acordo com o estudo, o setor da aviação civil registrou nos últimos 26 meses grande expansão por conta do alto número de passageiros.  “Além disso, nos últimos quatro anos o setor cresceu 30% e os trabalhadores tiveram apenas 1% de aumento real”, acrescentou o sociólogo.

Rotatividade e mercado mundial

Também foi apresentada às empresas aéreas a alta rotatividade no setor. Em 2015, 25% dos aeroviários estavam em seu primeiro ano de trabalho, já no caso dos aeronautas, o índice fica em 15%. “O levantamento aponta também que apenas 3,8% dos aeroviários têm mais de 10 anos na empresa. No caso dos aeronautas, esse índice fica em  7,7%.  Os aeroviários são as maiores vítimas da rotatividade no setor”, sentencia Mahatma.

Outro dado alarmante é que mais de 1700 postos de trabalho foram fechados. “O ajuste que deverá ser feito em 2016 pelas empresas já ocorre esse ano. Só no mês de setembro, 809 postos foram fechados”, alerta.

No cenário mundial, a aviação teve crescimento de 6,7 %, mesmo em um período de retração, segundo dados da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA). A América Latina apresentou  crescimento de 6,8%. A Europa, mesmo em crise, cresceu 5,5%. Já América do Norte, com a economia estagnada, atingiu o índice de 3,2%.    “Quando olhamos  para os aspectos operacionais, o desempenho do setor aéreo  é  muito bom.  O trabalhador é o maior refém da conjuntura econômica. Eles continuam produzindo, mas sem o devido retorno. Quem pode atenuar isso  são as empresas”, atesta o técnico do Dieese.

Outro ponto relevante que desmitifica o cenário ruim na aviação é o lançamento do plano de desenvolvimento da aviação regional. “A iniciativa do governo federal prevê investimento de R$ 7,3 bilhões em 270 aeroportos, isso representa um quadro próspero ao setor”, completa.

Sem crise

Durante a rodada, o SNEA manteve o posicionamento de que não há “recursos” para aumentar os salários em razão da crise. Para o presidente da FENTAC/CUT, Sergio Dias, esse discurso não convence. “Enfatizamos no nosso slogan da Campanha que não há crise na aviação. Os trabalhadores não são peças descartáveis e merecem o reconhecimento pelo crescimento do setor aéreo. A negociação será difícil, mas vamos seguir com unidade e luta para que os aeroviários e aeronautas sejam devidamente contemplados”, destaca Dias.

Próxima rodada- Aeroviários

A próxima rodada de negociação da Campanha dos Aeroviários acontecerá, no dia 24 de novembro, às 11h, na sede do Sindicato patronal, em São Paulo. Na ocasião, serão discutidas as cláusulas de natureza social, como maquiagem, auxílio para educação infantil e diárias internacionais para os aeroviários, que tenham que se deslocar para outro país a serviço da empresa.  

Próxima rodada – Aeronautas

A rodada dos aeronautas foi realizada na quarta (4), na sede do SNEA. A bancada patronal novamente apresentou números sobre a indústria e o cenário do setor projetado para 2016. A próxima negociação está prevista para o dia 18, na sede da entidade patronal.

Rodada – Táxi Aéreo

A rodada agendada entre a FENTAC e o Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA) para o dia 12 foi adiada. Uma nova data será divulgada. Na base da Federação, são cerca de 50 mil aeronautas e aeroviários que trabalham em helicópteros. A data-base é 1º de dezembro.

 
Principais reivindicações Aeronautas e Aeroviários da CUT

Neste ano, a FENTAC/CUT e os sindicatos filiados dos aeronautas e dos aeroviários de Guarulhos, Porto Alegre, Campinas, Recife e do Sindicato Nacional estão negociando na Campanha Salarial as cláusulas de natureza econômica e as sociais apenas para os aeroviários. A data-base é 1º de dezembro. A data-base é 1º de dezembro. O slogan da Campanha é “Aviação transporta o Brasil: Crise aqui não”. Aproximadamente 70 mil trabalhadores na aviação na base da FENTAC estão em Campanha.

Entre as principais reivindicações dos aeronautas e aeroviários estão: reajuste de 15% nos salários (reposição da inflação, mais aumento real e produtividade das empresas); 20% nos pisos salariais, nos vales-alimentação, refeição e diária para os aeroviários.

Os aeronautas também reivindicam correção no valor de 20% nas diárias de voos nacionais e internacionais, no vale-alimentação e no seguro de vida.