CNTTL questionará governo interino de Temer sobre fim da Secretaria da Aviação Civil

Na opinião da entidade,tanto a SAC quanto a Secretaria de Portos são estratégicas para o desenvolvimento do Brasil

316

Em reunião da Direção da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística filiada à CUT (CNTTL), realizada no dia (2) em Brasília, dirigentes dos  modais rodoviário, portuário, aeroportuário, viário, ferroviário e aéreo das regiões nordeste, sul e sudeste do país debateram a Medida Provisória 726/16 anunciada pelo governo interino de Michel Temer, que reduziu de 32 para 23 o número de Ministérios. 

Algumas pastas com status de ministério excluídas foram: a Controladoria-Geral da União;  Cultura (que após diversos protestos no Brasil e no exterior, Temer recuou e  retornou), Comunicações; Desenvolvimento Agrário; Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

Os transportes foram afetados com as perdas da Secretaria de Aviação Civil (SAC) e da Secretaria de Portos (SEP), criadas no governo Dilma de Rousseff, que hoje viraram um “puxadinho” do Ministério dos Transportes. “Isso é um retrocesso que vai afetar gravemente esses setores, tanto na questão dos investimentos, como no nível de atendimento nos aeroportos”, alerta o vice-presidente da CNTTL/CUT e diretor da Executiva da CUT Nacional, Eduardo Guterra.

Os dirigentes dos modais de transporte vão entregar um documento à SEP e SAC mostrando preocupação com as suas extinções.  “Somos contra essa agenda neoliberal. Defendemos a manutenção dessas duas secretarias que são estratégicas para o desenvolvimento do Brasil e para os trabalhadores”, finaliza Guterra.