FENTAC participa de Seminário Nacional de Planejamento da CNTTL/CUT

Principais lutas dos aeronautas, aeroviários e aeroportuários entraram no Plano de Lutas da Confederação

362

O combate à terceirização na aviação, a abertura dos céus e a privatização dos aeroportos públicos para a iniciativa privada foram alguns dos temas abordados no Seminário Nacional de Planejamento da CNTTL/CUT, realizado nos dias 16, 17 e 18, em Brasília.

Dirigentes da FENTAC e dos sindicatos filiados aeronautas, aeroviários e aeroportuários participaram do Seminário.

Durante o evento, o diretor do Sindicato Nacional dos Aeroportuários,(Sina/CUT), Samuel  Santos, levantou a questão da privatização dos aeroportos, que implicará na redução da participação no capital  da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). “Nossos aeroportos são importantes para desenvolvimento econômico e social do Brasil. Não concordamos com esse desmonte do governo federal”, destacou Santos.

""No destaque, Samuel Santos, do Sindicato Nacional dos Aeroportuários

Outro tema preocupante que entrou no debate é o Projeto de Lei que tramita no Congresso que propõe a abertura total e irrestrita, permitindo que as companhias aéreas, sejam 100% controladas por estrangeiros.  “Além do risco de um impacto direto nos empregos e de um escoamento bilionário de divisas para o exterior, as estrangeiras passariam a ditar as tarifas, colocando a população à mercê de um mercado fora do controle nacional”, explicou Nilton Mota, diretor da CNTTL/CUT e do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA).

Plano de Lutas

Durante a elaboração do plano de lutas dos trabalhadores em transportes, a FENTAC propôs como prioridade para a aviação: políticas para o setor aéreo; criação de um PL que trata de capital estrangeiro nas companhias aéreas; defesa da Participação da Federação junto à delegação do governo no próximo congresso da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o fim da terceirização da atividade fim no setores.

O presidente da CNTTL/CUT,  Paulo João Eustasia, Paulinho, disse que a missão agora é que os dirigentes dos sindicatos e federações implementem nas suas localidades a agenda de lutas debatida no Planejamento Nacional e divulguem nos seus materiais a CNTTL.  “É importante colocar em prática nas Campanhas Salariais e nos debates do dia a dia com as bases. Nosso desafio é transformar essas lutas em melhorias que atendam a realidade de todos trabalhadores e trabalhadoras em transporte que representamos no Brasil ”, finaliza.