Porto Seguro: Polícia reprime novamente direito à manifestação

    Diretor da CNTTL/CUT e do SNA, Nilton Mota, repudia o episódio

    439

    Mais uma vez, os policiais da Companhia de Ações Especiais da Mata Atlântica (CAEMA) de Porto Seguro, na Bahia, agiram com represália no Aeroporto Internacional.

    O fato aconteceu no último sábado (3) , quando agentes  fizeram uma barreira policial para impedir qualquer tipo de mobilização do Sindicato Nacional dos Aeroviários.

    O diretor da CNTTL/CUT e do SNA, Nilton Motta, lamentou o episódio. “Eles montaram esse forte aparato policial, após desconfiarem que nós poderíamos fazer um protesto em defesa dos direitos dos trabalhadores. Isso é um absurdo, aqui ainda prevalece o coronelismo. A polícia está sendo usada para impedir o direito de qualquer cidadão de se manifestar, que é direito garantido por lei”, relata.

    Providências

    O SNA já solicitou ao governador da Bahia, Rui Costa (PT) providências para evitar esse tipo de ação da CAEMA, bem como comunicou o fato à CUT-Bahia.

    Demissões e salários rebaixados

    Os protestos no Aeroporto iniciaram após a empresa terceirizada Bahia Airport Service, que perdeu contrato de trabalho com a Gol, ter demitido 60 funcionários.

    No lugar, assumiu a RM Service que iniciou um novo  processo seletivo com trabalhadores sem experiência, como também passou a aplicar salários menores aos exigidos na Convenção Coletiva de Trabalho dos Aeroviários da CUT.

    Na avaliação do SNA, a medida adotada por essa nova empresa acarreta sérias consequências na segurança de voo, o que coloca em risco a vida de profissionais da aviação civil e do público usuário.

    O SNA denunciou, por exemplo, que a pesagem das bagagens, procedimento realizado no check-in com o objetivo de manter a estabilidade da aeronave, foi liberada, o que forçaria o embarque dos passageiros.

    O Sindicato informa que esse procedimento, que não é permitido pelas normas internacionais de segurança aeronáutica, foi denunciado à Polícia Federal.