Campanha Salarial: Aeroportuários aprovam pauta de reivindicações

Entre elas estão 15% de reajuste salarial, inclusão de pais no convênio médico e estabilidade pré-aposentadoria

310

Os aeroportuários na base da FENTAC já iniciaram a Campanha Salarial 2016. O Sina, que representa os trabalhadores na Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e nas concessionárias privadas, está protocolando a pauta de reivindicações da categoria, aprovada em assembleias realizadas entre os dias 21 a 31 de março.

Os trabalhadores na Infraero e nas concessionárias que administram os aeroportos de Guarulhos, Brasília, Campinas, Rio de Janeiro (Galeão), Belo Horizonte e Confins (BH) e Natal (São Gonçalo do Amarante) aprovaram a reivindicação de reajuste salarial de 15%. 

Outras lutas da categoria aeroportuária são as melhorias nos direitos sociais, tais como: a inclusão de pais como dependentes no convênio médico, a tolerância de atrasos de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a estabilidade pré-aposentadoria, independente do tempo de trabalho na empresa (atualmente, a CLT prevê dez anos de trabalho na concessionária para que a aposentadoria possa ser validada). 

Além disso, o Sina também reivindica o pagamento de um abono convertido em vale-alimentação no valor de R$ 460,00, em duas parcelas.

Em entrevista ao Portal FENTAC, o diretor jurídico do Sindicato, Marcelo Tavares de Moura e de Relações Internacionais da CNTTL/CUT, disse que apesar do difícil momento político que o país vive que está impulsionando uma crise econômica, a luta por mais direitos vai continuar sendo uma bandeira prioritária.  “Nossa expectativa em relação às negociações é boa e nosso principal objetivo é conseguir o ganho real para os trabalhadores”, reforça.

 

Categoria e negociação

A data-base da categoria é 1º de maio e estão em campanha cerca de 12 mil trabalhadores na Infraero e cinco mil nas concessionárias, totalizando 17 mil aeroportuários.

As rodadas de negociação entre o Sina e as empresas ainda não têm data marcada, mas serão divididas em duas partes. A primeira deverá ocorrer entre o Sindicato e a Infraero, e a segunda entre a entidade e as sete concessionárias.