28 de abril: "Temos que parar porque nossos direitos estão em risco e o futuro das próximas gerações", diz aeroviária Luciana

Ela é dirigente no Sindicato dos Aeroviários de Pernambuco e trabalhadora na Tristar

803

Dirigente no Sindicato dos Aeroviários de Pernambuco e trabalhadora na Tristar, Fabiana Damasceno, conversou com o portal FENTAC sobre o  1º Seminário de Mulheres na Aviação, promovido pela Federação. A atividade foi realizada nos dias 5 e 6 de abril, no auditório do (Sindigru), em Guarulhos, grande São Paulo.

Na entrevista, a delegada destacou que os ensinamentos da atividade serão fundamentais no dia a dia na base e na vida “Nós mulheres não devemos lutar só por nós, mas pela a sociedade no geral”, destaca.  Confira a seguir:

Portal FENTAC: Quais ensinamentos você extrai desse evento e começará a implementar em Recife?

Fabiana Damasceno: Os ensinamentos que aprendi e conclui nesse seminário é que a gente tem que cada vez mais lutar por nossos direitos. Somos realmente uma classe fragilizada, infelizmente, mas a gente vem cada vez mais ganhando território, sendo motorista, piloto, profissões consideradas masculinas. 

A partir desse seminário, vou começar a implantar isso no meu trabalho, na minha casa, porque nós mulheres não devemos lutar só por nós, mas pela a sociedade no geral.

Portal FENTAC: Dia 28 de abril será o Dia Nacional de Greve, convocada pela CUT,  qual a importância do trabalhador parar nesse dia?

Fabiana: A importância de parar nesse dia não é só para  nós trabalhadores ativos, mas inclusive desempregados, que precisam ter um trabalho digno. Temos que entrar nesta batalha, pois são direitos não são só nossos, mas do futuro que vem aí, dos nossos filhos, das futuras gerações.

Nós devemos parar tudo, não só o setor aéreo, mas como todos os setores. O sindicato  e a CUT não farão a luta sozinhos. Vamos à batalha e fora Temer!