Sindigru se reúne com LATAM para tratar sobre direitos dos trabalhadores demitidos

Nesta sexta-feira (24), o Sindicato retoma negociação com a empresa

914

Com o objetivo de discutir os direitos dos trabalhadores demitidos na Latam no GRU Airport e substituídos por mão de obra terceirizada, o  Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos (Sindigru) se reuniu na quarta-feira (22) com representantes da empresa aérea.

Na reunião foram tratados diversos assuntos, entre eles, férias programadas, plano de saúde, vale-alimentação, homologações e propostas para os trabalhadores estáveis.

Sobre as férias, a empresa se comprometeu em conversar com os trabalhadores, caso não haja essa consulta, as férias programadas serão mantidas.

Em relação à prorrogação do  plano de saúde por 24 meses, a LATAM informou que não consegue atender o pleito do Sindicato por razões de limitações legais e financeiras, mas assegurou que vai estudar uma alternativa que contemple os trabalhadores demitidos.

A empresa informou também que está elaborando uma proposta que contemple o vale-alimentação como Indenização para os trabalhadores que serão desligados e que não consigam recolocações até período a ser definido.

O Sindicato pediu à Latam uma lista de todos os trabalhadores que serão desligados. A empresa anunciou 850 demissões, e o Sindicato acredita que seja cerca de 1000 – quem assumirá a gestão desses trabalhos é a Orbital, empresa contratada pela Latam.

Rescisões

Sobre o pagamento das rescisões, o Sindicato pediu uma indenização de 50%, pleito não atendido pela empresa.

Diante disso, o Sindigru sugeriu que o reajuste salarial a ser definido na data base de 01/12/2018 seja referência para o pagamento das rescisões.

A empresa sinalizou que o reajuste poderá ser pago de forma proporcional em rescisão complementar após fechamento da data base. 

Homologações e CCT

O Sindicato também solicitou que as homologações sejam feitas na entidade, não apenas dessas rescisões, mas de todas.

A LATAM informou que concorda com a solicitação e que analisará casos posteriores. 

O Sindicato sugeriu também que  a LATAM analise a viabilidade de um Acordo Coletivo do que retirar a quarentena de 18 meses da Lei Trabalhista, para assegurar um número maior de empregabilidade aos trabalhadores demitidos. A Latam irá analisar.

Sobre os trabalhadores estáveis, a empresa aguarda o número de pessoas e a respectiva proposta do Sindicato.

Reunião continua nesta sexta-feira (24)

Nesta sexta-feira (24), o Sindigru  terá nova reunião com a Latam, na qual cobrará da empresa uma resposta sobre as reivindicações em defesa dos trabalhadores demitidos. Também nesse encontro a empresa apresentará um cronograma para emissão de PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP).

Sobre as demissões

O anúncio das cerca de 1000 demissões em Guarulhos foi feito ao Sindicato na segunda-feira (20), após a pressão da categoria que, no sábado (18), realizou mobilizações no aeroporto para cobrar um posicionamento da empresa.

No Rio de Janeiro, o corte atingirá 350 trabalhadores e trabalhadoras, que também estão mobilizados para evitar o desemprego e a precarização do trabalho.

Os setores de rampa e limpeza (ground handling), de gestão de equipamentos de solo (exceto aeronaves), e de atendimento a clientes com bagagens perdidas ou danificadas (lost luggage) passarão a ser responsabilidade da prestadora de serviços Orbital/WFS, que já assinou contrato.

Campanha Salarial

Com data-base em 1º de dezembro, o Sindicato deve intensificar suas ações a partir de agora.

A entidade,  junto aos demais Sindicatos dos Aeroviários e Aeronautas da base da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da CUT (FENTAC), irá protocolar a pauta dos trabalhadores até a primeira quinzena de setembro.

Em outubro, terão início as negociações da Campanha Salarial com o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviários (SNEA), que representa as quatro principais empresas da aviação civil regular do país: Latam, Gol, Avianca e Azul.