Campinas: Aeroportuários na ABV Viracopos param e conquistam melhoria no reajuste salarial

Categoria garantiu reajuste salarial de 4%, mesmo índice proposto pelas demais empresas que administram os aeroportos concedidos

814

Em assembleia realizada na manhã desta segunda (3), os aeroportuários em Viracopos, Campinas, aprovaram a proposta de reajuste salarial da concessionária Aeroportos Brasil Viracopos (ABV). Com isso, a paralisação que teve início às 7h de hoje foi encerrada. 

O acordo prevê reajuste salarial de 4% para os salários até  5 mil reais parcelado em duas vezes:  3,11%, retroativo a 1º de maio,  e em 1º de outubro, será paga a diferença de 0,89%. 

Já nos benefícios de vale-refeição e vale-alimentação, 2,89%, também parcelado em duas vezes:  2%, retroativo a 1º de maio e 0,89% em 1º  de outubro.  A ABV também se comprometeu a  fazer o pagamento dos benefícios no 1º dia útil e manter o adicional noturno em 35%, a empresa queria reduzir o valor do benefício para 25% e pagar os benefícios apenas no 5º dia útil. 

Anteriormente, a ABV havia oferecido reajuste salarial de 3,11% para os salários até 3 mil reais e congelamento dos benefícios. Viracopos foi o único aeroporto que teve impasse na renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) com o Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina). “Essa nova proposta não foi feita na bondade, ela teve que ser arrancada”, destaca a direção da entidade. 

Demais concessionárias 

Nas demais concessionárias Guarulhos (SP), Galeão (RJ), Brasília (DF), São Gonçalo do Amarante (Natal) e Confins (MG) os trabalhadores aprovaram a proposta de reajuste salarial de 4% sobre os salários e pisos (sendo que a GRU Airport  pagaria um valor fixo de R$ 275,36 para quem recebe acima de R$ 6.884,00). 

Para os benefícios (VA, VR, VT, auxílio creche, auxílio funeral e auxílio para material escolar), a proposta  foi de 4,08% de reajuste. Em São Gonçalo (Natal), a proposta prevê congelamento do auxílio combustível.

Assinatura dos ACTs 

Segundo o dirigente do Sina e da CNTTL, Marcelo Tavares, a previsão é que os acordos coletivos de trabalho com as concessionárias sejam assinados nesta quarta-feira(5). “Este ano a Campanha Salarial tratou apenas das cláusulas financeiras e o acordo tem validade de um ano”, destaca. 

Infraero 

Ainda segundo o dirigente, não há previsão do fechamento do acordo coletivo com a estatal. “Tivemos até agora só uma reunião na qual eles falaram apenas de reduções e a situação complicou ainda mais com o anúncio da privatização”, alerta.         

Os trabalhadores lutam por 7% de reajuste salarial – a título de reposição da inflação com ganho real nos salários e benefícios. A projeção da inflação calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo IBGE, para o período da data-base da categoria, ou seja, entre o 1º de maio de 2016 e 30 de abril de 2017 é de mais de 4%.             
  
Base Sina

A campanha  salarial nas concessionárias terminou e contemplou 5 mil trabalhadores. Já na Infraero continuam em campanha 12 mil aeroportuários. A data-base da categoria é 1º de maio.