Táxi Aéreo: TST vai reavaliar processo e novo julgamento acontece em outubro

Os sindicatos dos aeronautas e aeroviários filiados à FENTAC seguem empenhados para fechar um acordo que não prejudique os trabalhadores do setor

856

O julgamento do dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST) contra o Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA) movido pelos Sindicatos dos Aeronautas e Aeroviários filiados à FENTAC  para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) (data-base 2015/2016) das categorias no Táxi Aéreo foi realizado na segunda-feira (11), em Brasília. 

O ministro Emanuel Pereira, vice-presidente do TST, havia pedido vista do processo na tentativa de buscar uma conciliação para o caso. Entretanto, em razão da intransigência da bancada patronal, não houve possibilidade de acordo, o que culminou na inclusão do dissídio novamente em pauta de julgamento.

Na sessão de segunda (11), o presidente do TST, ministro Ives Gandra Filho, compreendendo a complexidade e a peculiaridade do caso, requereu vistas para analisar as nuances do processo antes de proferir seu voto. 

Diante disso, o processo, que caminhava para um desfecho contrário aos interesses dos trabalhadores, foi suspenso e será retomado na sessão do dia 9 de outubro.

Empenhados
Os sindicatos dos aeronautas e aeroviários filiados à FENTAC/CUT seguem empenhados para fechar um acordo que não prejudique os trabalhadores do setor.  “Nos últimos 10 anos, as empresas de táxi aéreo têm levado uma grande vantagem sobre os trabalhadores, que empobrecem cada vez mais. 

A hora de virar o jogo é esta, vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para conseguir uma vitória no tribunal”, afirma Selma Balbino, diretora do Sindicato Nacional dos Aeroviários e da FENTAC.