Proteção à Mulher: 2º Treinamento da ITF sobre violência doméstica reúne mulheres sindicalistas do Brasil, Peru e Argentina

24

A cidade de Guarulhos, localizada no estado de São Paulo, sediou nos dias 12 a 14 de novembro um importante evento voltado às mulheres trabalhadoras em transportes. Trata-se do 2º Treinamento do Programa "Defensoras das Mulheres" uma iniciativa da ITF (Federação Internacional dos Trabalhadores em Transportes), projeto coordenado no Brasil pelo Sina (Sindicato Nacional dos Aeroportuários), que conta com o apoio da FENTAC (Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil filiada à CUT). 

Participaram da atividade mulheres dirigentes dos sindicatos dos aeroviários, aeronautas e aeroportuários do Brasil; Tripulantes de Cabine do Peru e dirigentes do Sindicato das Carreteras (caminhoneiros) da Argentina.  

De acordo com Mara Meiry, coordenadora do projeto no Brasil pela ITF, dirigente do Sina e Secretária da Mulher da CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística) essa segunda etapa teve o objetivo de aprofundar o Treinamento iniciado em maio no país.

"Discutimos a importância de inserir cláusulas nas mesas de negociações que possam trazer proteção à violência doméstica. Os próximos passos são concretizar e construir as parcerias com as empresas. No setor aeroportuário temos empresas que já manifestaram interesse porque, além de terem a oportunidade de incentivos fiscais, poderão ser promovidas com um marketing social", explica.

Mara conta também que é importante que os sindicatos mudem suas visões e enxerguem que são agentes de transformação social.

"Em relação à CNTTL, o setor urbano tem uma carência de apoio e estrutura. Precisamos levar para dentro da Confederação esse programa da ITF, mas temos que fazer primeiro no setor aéreo", ressalta a dirigente. 

Ampliar da atuação sindical

O presidente do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), Francisco Lemos, elogiou o programa da ITF e destacou que é fundamental que os sindicatos ampliem seu campo de ação e não fiquem apenas nas lutas sobre as condições de salário e benefícios.

"Desafiamos a lei da física para transportar vidas. Hoje temos mulheres pilotando avião, controlando voo e atuando na segurança/operacional nos aeroportos. Imagina essa trabalhadora sofrendo violência doméstica em casa. Isso é inadmissível! Já estamos conversamos com as empresas do setor aeroportuário e vamos debater cláusulas que protejam as mulheres e ajudem a coibir essa violência que é covarde.  Hoje em dia com essa conjuntura brasileira que pretende desvalorizar cada vez mais a mulher, os sindicatos precisam valorizar as trabalhadoras", finaliza.
 

Sobre o Programa

Idealizado pela ITF o Programa "Defensoras das Mulheres" em inglês "Women's Advocacy" existe há mais de 20 anos e começou no Sindicato dos Trabalhadores do Setor de Automóveis do Canadá. O Treinamento está ocorrendo no Nepal, Índia, Austrália, Líbia e agora no Brasil e Peru. Hoje o projeto tem 450 sindicalistas “defensoras” que atuam em muitos locais de trabalho e em vários setores da economia canadense.

As mulheres sindicalistas desses países relatam histórias semelhantes sobre a violência sofrida e o quanto interfere em suas vidas. A meta da ITF é capacitar mais ativistas para criarem um programa sustentável, proporcionando espaços seguros nos locais de trabalho para as mulheres compartilharem suas histórias e buscarem apoio.
 

Repercussão 

O Portal da FENTAC ouviu as opiniões de alguns sindicalistas que participaram do 2º Treinamento confira: 

"A violência doméstica é um tema atual e atinge também o mundo do trabalho. Nesse Treinamento intensivo debatemos ações para desconstruir mitos e a vitimização da mulher. O movimento sindical deve agir como um agente de transformação social e as empresas precisam se responsabilizar e entrar nesse engajamento", Patrícia Gomes, diretora de base do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA) no Aeroporto de Florianópolis. 

"A FENTAC abraçou esse projeto, em parceria com a ITF, que é coordenado pelo Sina, nosso sindicato filiado. Queremos colocar em prática essas ferramentas para que possamos combater todos os tipos de violência contra as mulheres nos ambientes laborais e no seu cotidiano", Sergio Dias – presidente da FENTAC/CUT e diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA).
 

"A troca de experiências foi muita boa com as companheiras da América Latina e da Europa. Saímos desse Treinamento com a missão de pensar em cláusulas que possam efetivamente proteger as mulheres aeroviárias nos aeroportos", Debora Cavalcanti – Secretária Geral do Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos (Sindigru).
 

"O Treinamento é importante para o fortalecimento das mulheres de todos os setores.  Nós como defensoras temos que lutar por uma melhor convivência para todos no trabalho. Também temos que lutar pela igualdade e equidade salarial", Laura Cordoba – Secretária da Mulher do Sindicato das Carreteras (Caminhoneiros) da Argentina e presidente do Comitê de Mulheres da América Latina e Caribe. 
 

"A violência doméstica impacta na vida pessoal da mulher. Sinto-me honrada em participar com outras categorias desse 2º Treinamento da ITF, que é um passo importante na tratativa de negociações futuras com as empresas", Luciana Carpena –  diretora do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA).
 

"Temos que divulgar esse Treinamento porque muitas mulheres que trabalham na indústria da aviação se sentem incomodadas, por isso, vamos ajudá-las com apoio psicológico e orientação nos sindicatos", Ana Maria Orellana- Presidente do Sindicato dos Tripulantes de Cabine da Lan Peru.