Editorial: Mecânicos de manutenção tem seus empregos ameaçados; segurança de voo está em risco

90

A história é conhecida em diversos setores no Brasil. Num primeiro momento a função é sucateada, muitas vezes terceirizada, e enquanto isso as empresas agem politicamente para retirar mais direitos dos trabalhadores. O fim muitas vezes acaba sendo a extinção desses empregos, inclusive com legislações que permitam essa mudança.

A bola da vez é o Mecânico de Manutenção, profissional responsável por fazer a checagem da aeronave antes do voo e também por fazer qualquer serviço que seja verificado como necessário.

Há a informação de que as empresas aeroviárias estão agindo juntamente das entidades reguladoras para pressionar pela retirada da exigência da presença desse profissional nos aeroportos, inclusive com reuniões para discutir o tema.

FENTAC se posiciona sobre o assunto

Para a FENTAC, o absurdo se dá não somente no campo da extinção de empregos importantes de profissionais qualificados, mas sobre o que está em jogo, a segurança de voo. Uma vez que não temos este trabalhador para checar a aeronave, o voo está automaticamente me risco.

“Se traçarmos um paralelo simples entre viajar de carro e viajar de avião, poderíamos comparar ir de São Paulo para Recife sem antes verificar itens básicos do carro. A diferença é que não há acostamento no céu, uma vez que hajam problemas, eles podem ser fatais”, afirma a direção da entidade.

Semelhantemente ao que aconteceu nos anos de 2016 e 2017, onde houve o mesmo movimento das empresas para retirar os Mecânicos de Manutenção de Aeronaves das pistas dos aeroportos brasileiros, a FENTAC está se mobilizando juntamente de seus sindicatos filiados.

O objetivo é pressionar as autoridades através de ofícios e reuniões, alertando também a sociedade e a comunidade aeroportuária dos perigos da ausência desse profissional. “Faremos ações no sentido de proteger não somente nossos trabalhadores, mas também todos que pegam um voo no Brasil e desejam chegar no seu destino com vida”, finaliza a entidade.