FENTAC e Sindicatos dos Aeroviários lançam boletim “Agora é Estado de Greve: Reajuste Salarial de 4%, aqui não”

Publicação alerta sobre resultado das assembleias e convoca categoria para início da “Operação Trabalhe, Sem Exploração”

594

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da CUT (FENTAC) e os Sindicatos dos Aeroviários de Guarulhos, Porto Alegre, Recife e Nacional  lançaram esta semana o boletim “Agora é Estado de Greve: Reajuste Salarial de 4%, aqui não” para os aeroviários e aeroviários da base.

A publicação informa o resultado das assembleias com a categoria, na qual foi decretado “ estado de greve” por conta do não avanço nas negociações entre a FENTAC e o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (SNEA) e informa também o início da “Operação Trabalhe, Sem Exploração” , que será realizada em todos os aeroportos da base da Federação.  

A Operação: "Trabalhe, Sem Exploração”  consiste em o aeroviário (a) realizar as tarefas do dia, da sua competência, dentro da respectiva jornada, sem exceder o horário, e não executar tarefas que caracterizem acúmulo de função.  

A ação tem sete eixos: Não faça hora extra e nem mudança de escala; Cumpra a sua jornada de trabalho; Não gaste seu salário com maquiagem para trabalhar; Não colabore com quem não colabora com o seu salário;  Em hipótese nenhuma, dobre a jornada; Não aceite acúmulo de função; Não deixe de fazer o intervalo de descanso e  Use todo o tempo necessário para executar suas tarefa.

Empresas podem avançar

Levantamento da Subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio Econômicos (Dieese) na FENTAC mostra que as empresas aéreas têm condições em construir um espaço para acordo e avanço nas negociações. “Cerca de 82% das receitas do setor são oriundas da venda de passagens, portanto, do resultado operacional e riqueza produzida cotidianamente pelos trabalhadores. Apesar do crescimento nos custos das aéreas de 3,5% no último ano, as receitas registraram expansão de 7,5%. O resultado operacional é fundamental para o resultado financeiro da empresa, portanto, deve-se valorizar a força de trabalho”, salienta o técnico Mahatma Ramos.

O assessor apontou que o maior custo das empresas é com combustíveis e lubrificantes  de aeronave, cerca de 30%, seguido pelos custos com seguro, arrendamento e manutenção de aeronaves (21%); e só depois aparecem os custos com pessoal que representavam, em 2015, cerca de 15% no setor.

 “A força de trabalho é sempre objeto flexibilização e redução de custos. Apenas nos nove primeiros meses de 2016 foram extintos 4.853 postos de trabalho na aviação civil, mais de 5% do total de empregos no setor. Em 2015, encerraram-se 2.791 postos e nos últimos quatro anos registrou-se um saldo negativo de mais quase 7 mil postos de trabalho”, ressalta.

 O técnico explicou também que o volume de passageiros incorporados na aviação nos últimos 10 anos foi de 63 milhões, crescimento de 133%.

 No entanto, no mesmo período, a remuneração dos trabalhadores na aviação registrou crescimento 13 vezes menor, apenas 9,3%. E nos últimos cinco anos, a força de trabalho obteve ganho real de apenas 1%, reforçando a política de achatamento dos salários no setor.

Rodada de negociação

Na quinta-feira (24), será realizada nova rodada de negociação entre a FENTAC e o SNEA e a última rodada acontece no dia 30 de novembro. A Federação e os sindicatos filiados esperam que as empresas mudem a posição intransigente e negociem as pautas dos trabalhadores. 

Caso  não haja avanço nas negociações, os aeroviários poderão aprovar indicativo de greve geral na Assembleia Geral agendada no dia 1º de dezembro.

Clique aqui para ter acesso ao boletim