ITF e entidades filiadas debatem a política do “céu aberto”

O Comitê de tripulantes da América Latina irá propor medidas para proteger os direitos dos trabalhadores

306

Em reunião realizada no fim de janeiro, do Comitê de tripulantes da América Latina, no Rio de Janeiro, a Federação Internacional dos Trabalhadores em Transporte (ITF) e as entidades filiadas discutiram assuntos relacionados à aviação civil, entre eles, a implementação da política do “céu aberto”.

A Organização da Aviação Civil Internacional (OAIC) está tentando implantar a política multilateral de “céu aberto”, que consiste em abrir caminho para as companhias aéreas estrangeiras.

Segundo a OAIC, essa medida pode ser ou não aceita por cada país de acordo com a sua legislação. A ITF e a Federação Internacional de Pilotos (IFALPA) estão supervisionando a ação, para que não haja  dumping, prática desleal e proibida em termos comerciais, que elimina a concorrência e aumenta cotas de mercado.

Ficou definido na atividade que  as entidades filiadas à ITF discutirão medidas para a criação de  cláusulas que evitem o impacto negativo aos tripulantes.  “Estamos desenvolvendo uma série de guias educativos para conscientizar sobre os riscos na aviação”, reforça o Comitê. 

Conferência

Em junho, será realizada em Londres, Inglaterra,  uma conferência para discutir medidas estratégicas para a implantação da política do “céu aberto”. 

Comitê dos tripulantes da América Latina

O grupo fundado em 30 de janeiro de 2015 é composto por lideranças sindicais e tem como objetivo discutir e definir estratégicas que tragam melhorias para a categoria na América Latina. 

O Comitê é presidido pela sindicalista Jimena Lopez (Equador)  e vice-presidentes: Juan Pablo Brey (Argentina), Sergio Dias, presidente da FENTAC/CUT (Brasil) e Ricardo del Valle Solares (México).

Vanessa Barboza, Redação FENTAC